Perdoar não é fingir que está tudo bem.

Perdoar não é fingir que está tudo bem, se na verdade não está. Perdoar não é fingir que nada aconteceu. E também não é ignorar os sentimentos.

A primeira coisa que nos atrapalha em nosso processo de perdoar é o nosso senso de justiça. E sabe porque? Porque queremos ver quem errou ser punido ou pelo menos reconhecendo que errou. Mas isso pode nunca acontecer, já que não depende de nossa vontade. E então ficamos presos na falta de perdão e nos males que isso provoca.

E a segunda coisa é dizer para si mesmo que perdoou, mas na verdade apenas está fingindo que está tudo bem, sem estar.

Sendo assim, o que precisamos é ir além do perdão.

Em Lucas 6:27 está o ensinamento de como ir além do perdão: Amando, abençoando e orando por aqueles que nos maltratam.

Ou seja, é preciso ser verdadeiro, admitir que há um problema ali, que não está tudo bem, que ocorreu algo injusto ou que machuca, entre outros exemplos. Se doeu, chore o tanto que precisar, porém, após isso, supere! Perdoe! E depois vá além do perdão, faça o que Deus diz: não apenas perdoar, mas abençoar.

Abençoar significa “falar bem de” . E geralmente fazemos o contrário, embora oremos e tentemos perdoar, nós amaldiçoamos com a nossa língua ou relembramos a ofensa milhares de vezes quando falamos sobre ela com outras pessoas.

A Pastora Joyce Meyer escreveu a seguinte frase: “Odiar aqueles que nos feriram é como tomar veneno e esperar que o seu inimigo morra”

Precisamos ir além, ver as coisas de forma diferente. Por que passar a vida zangado, amargurado com pessoas que nem sequer se importam com isso? Elas estão aproveitando a vida enquanto você está infeliz. Deixe a ofensa para trás, ore pedindo a Deus que transforme e abençoe essa pessoa, mesmo que ela pareça não ter “concerto”, porque para Deus nada é impossível e orando por isso nós próprios somos abençoados espiritualmente.

Faça isso hoje mesmo e você sentirá uma liberdade maravilhosa e Deus se mostrará forte como o seu Vingador, o seu justo Juiz.

Com amor,

Morgana.

O que é necessário para salvar uma vida? #setembroamarelo

O que é necessário para salvar uma vida? Em alguns casos é necessário doar sangue, um órgão, pagar um tratamento, mas em outros pode ser simplesmente uma oração, uma palavra amiga, um abraço, um sorriso, um tempo de qualidade.

Se parassemos um pouco diante dos nossos afazeres, para nos dedicarmos mais ao nosso próximo não haveria tanta tristeza no mundo. As pessoas se sentem sozinhas até mesmo rodeada de gente, porque não se sentem amadas, cuidadas ou verdadeiramente notadas.
Como diz a música da Marcela Taís, “muitos colegas poucos amigos, diálogos cheios de monossílabos”. E porque isso? O coração de muitos já se esfriou. Mas que Deus coloque um aquecedor em nossas vidas, o Espírito Santo, para nunca esfriarmos, porque corpo frio é de quem já morreu. Nós somos o corpo de Cristo que venceu a morte e vive eternamente! Ele diz: Um novo mandamento vos dou, ame o teu próximo como eu vos amei, dando a minha própria vida.

Deus nos chama para sermos abnegados, para servir as pessoas com qualidade sem esperar recompensas por isso. Mas pela nossa natureza, não é fácil, ainda mais diante das circunstâncias que vivemos, pois a violência, as mentiras, nos tornam desconfiados, a pobreza, nos torna egoístas, enfim… Por isso precisamos nos conectar cada dia mais com Deus, que nos criou perfeitos no jardim, onde não tinha nada disso, assim como no céu não há.

E se hoje o mundo se encontra nesse estado, foi devido a decisões erradas tomadas ao longo do tempo pelas pessoas. No entanto, podemos mudar isso escolhendo ser como Cristo: amoroso, paciente, que foi traído e seguiu em frente, perdoando e ainda assumindo a culpa, para ver todos livres.

E somos livres para tomar nossas decisões, então aproveita e escolha se importar, abraçar, beijar, dizer que ama, demonstrar, não deixar só, conversar, presentear e orar bastante pelas pessoas e de todo coração.

Pois decisões decidem destinos e podem salvar muitas vidas.

Com amor,

Morgana.